Era uma vez um ratinho que vivia triste, porque onde andava, todos queriam lhe pisar. As pessoas que o viam pulavam de um lado para o outro numa tremenda algazarra.

Para escapar das pisadas, corria em círculos tentando fugir. De tanta tristeza um dia resolveu se jogar num rio para nunca mais voltar. Desejava acabar com todo aquele sofrimento que sentia.

Então correu, correu e correu para o rio mais próximo e chegando às suas margens, parou e resolveu se atirar em suas águas correntes e velozes.

De repente ouviu uma voz suave a lhe dizer:

— Não faça isso seu rato, você nasceu para a vida!

Imediatamente o ratinho olhou para atrás e vendo um enorme gato se assustou!

O gato, pois, mostrando os seus dentes afiados, lhe disse:

— Você nasceu para a vida, mas para eu comê-lo!

O pobre do ratinho começou a chorar. O gato se espantou com a sua reação, afinal os ratos fugiam dele e aí ele os perseguia para se divertir antes de comê-los. Não compreendendo o porquê da sua atitude, perguntou-lhe:

— Por que você chora, se o certo é fugir?

O pequeno ratinho lhe respondeu:

— Todos querem me pisar ou comer-me e só queria viver em paz!

— fala choroso —

— Por isso ia me atirar nas águas do rio, até você chegar! Agora vou ser comido!

O gato comovido com as suas palavras cheias de sentimentos, esquecendo o seu instinto, desistiu da perseguição e lhe disse:

— Olha seu rato, você não deve fazer isso, no fundo, no fundo, não quer boiar no rio, o que me parece que deseja, é fugir do problema. Então façamos assim: vou protegê-lo e levá-lo até àquela floresta em frente e quando chegarmos lá, você fará a sua toca numa árvore e viverá para sempre em paz e felicidade.

O ratinho sorriu e aceitou o convite do gato, mesmo que meio desconfiado daquela atitude.

Os dois juntos seguiram em frente até a floresta próxima e chegando no destino, ele fez a sua toca debaixo da árvore como o gato havia sugerido. Quando o gato viu o ratinho feliz, deu-lhe as costas sem que percebesse e aos poucos foi se distanciando do local, deixando o seu novo amiguinho viver a sua nova vida.

Quando estava bem distante da floresta, o gato parou e começou a irradiar um intenso brilho que somente se comparava aos raios do sol. Transformou-se em uma linda pomba branca, com asas enormes e alçando voo em direção ao céu azul, desapareceu por entre as nuvens brancas.

Moral da história: mesmo que receba várias pisadas na vida e que tentem comer os seus sonhos, não desista tão fácil dela, afinal todo problema tem uma solução, mesmo que exija sacrifício ou muito trabalho. A esperança é um sentimento que deve-se cultivar constantemente no coração, pois é ela a responsável pelos caminhos que nos levam a soluções para os mais complexos problemas da existência humana.

Autor Bessa de Carvalho

Direitos autorais reservados a Bessa de Carvalho