Debaixo das pupilas buliçosas

sou um caixeiro viajante,

vendendo as verduras verdejantes,

à doce freguesa ansiosa.

*

Tão bela e tão formosa

retira as moedas da sua bolsa

e no tilintar talvez eu ouça,

o coração a prosear

*

com esse andarilho vendedor

a oferecer um produto nobre,

que não se compra por nenhum cobre

para a fome saciar.

*

É este o sentimento de amor, 

que lhe ofereço ó jovem dama,

que de tão puro por ele clama

o coração a saborear.

*

Autor Bessa de Carvalho

Direitos autorais reservados a Bessa de Carvalho.

Leave a Comment on Caixeiro Viajante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *